EXERCÍCIOS QUAREMAIS

 

Sugestões para o tempo quaresmal
Preparar a Páscoa 

Desde a antiguidade que a Quaresma foi sempre vivida como tempo muito intenso de preparação para a Páscoa, tendo a Igreja em mente especialmente duas categorias de pessoas: os catecúmenos, na sua preparação para o baptismo, na Vigília Pascal; e os penitentes, aqueles cristãos que, por causa de pecados graves, especialmente públicos, deviam reparar o mal feito e dar sinais de arrependimento e de mudança de vida, que se preparavam para a reconciliação com a Igreja e para o perdão, em cerimónia que se realizava na Quinta-feira Santa.
Mas, em comunhão espiritual com eles, era toda a Igreja que se colocava em atitude de penitência, que se exprimia na oração, no jejum e na esmola, como forma de preparação para a Páscoa, onde o mistério da redenção, – que é a graça que o Senhor nos trouxe com a sua paixão, morte e ressurreição -, não dispensa, antes exige e pressupõe a colaboração do homem, portanto, uma disposição interior do coração que se manifesta exteriormente nesses exercícios quaresmais: a oração, o jejum, e a esmola.
Estes exercícios quaresmais são a tradução e o alargamento para todos os cristãos das mesmas atitudes de Jesus nos quarenta dias que Ele passou no deserto, em oração e em jejum, imediatamente a seguir ao seu baptismo e como preparação para a Sua vida pública, quando, com palavras e gestos cheios de autoridade, anunciou e mostrou já presente o Reino de Deus. Por isso, a Quaresma inspira-se nessa Quaresma de Jesus, a qual, por sua vez, recapitula a Quaresma (quarenta anos) do Povo de Deus peregrinando pelo deserto, e a Quaresma de Elias (quarenta dias) pelo deserto a caminho do Monte de Deus.
É muito importante que os católicos tomem consciência da importância deste tempo. Infelizmente hoje em dia, em que domina o que os antigos chamavam respeito humano, ou seja, aquela timidez ou acanhamento em manifestar publicamente a própria fé, o que hoje acontece sob uma outra etiqueta, do política e culturalmente correcto, do medo de ser acusado de fundamentalismo, no pressuposto da laicidade ou do laicismo do Estado e dos espaços públicos!… Ora é muito importante redescobrir e viver eu diria mesmo os rituais do tempo quaresmal, que nos convida ao jejum e à abstinência, à oração, à esmola, em suma, à penitência. Um sinal muito simples é respeitar a abstinência à sexta-feira (antigamente era mesmo jejum, às quartas, sextas e sábados, e até, durante todo o ano, antes de qualquer festa), quando não comer carne e optar por peixe significa uma atitude interior de quem procura viver não segundo a carne ou os critérios do mundo (segundo as belas expressões de S. Paulo e de S. João), mas segundo o pensamento de Deus e a sua lei.
Um dia, e isto fora da Quaresma, fui numa sexta-feira almoçar a um restaurante com amigos. Eu pedi evidentemente peixe; e verifiquei que um grupo relativamente numeroso tinha provocado um certo pânico na cozinha, porque, por ser sexta-feira, tinha pedido peixe, em vez de carne. São coisas simples, que da simplicidade consiste a nossa existência, que precisa de sinais.
O Santo Padre Bento XVI publicou no ano passado a sua obra Jesus de Nazaré, e ainda muito recentemente a sua segunda encíclica sobre a Esperança. Seria bom que, durante a Quaresma, lêssemos as suas meditações, que seria uma excelente companhia, para nos introduzirmos, com ele, no mistério de Jesus Cristo. S. Paulo tem uma frase que tudo sintetiza quando diz: Ele amou-me e entregou-se por mim (Gal 2, 20). E S. Francisco Xavier conta numa carta dirigida a Sto. Inácio o seu encontro com um nobre do Japão, do qual ficou amigo, o qual lhe perguntava: Mas tu deixaste o Colégio de Sta. Bárbara, em Paris, foste para Roma, de lá para Lisboa, de Lisboa para a Índia e até ao Japão, percorrendo milhares de milhas só para me dizeres que Deus me ama? Não há mais nada para me dizeres? Não há, respondeu o Santo!
Pois que a Quaresma, vivida no espírito que a Igreja nos recomenda, seja este tempo oportuno de graça e de verdade, para descobrirmos e sentirmos quanto Deus nos ama, sendo sinal disso o mistério de Cristo, cujos passos da Paixão seguimos e meditamos nestes dias.

José Jacinto Ferreira de Farias, scj
Joseffarias@netcabo.pt

Roteiro para a Oração diária

a) Escolher a hora e o lugar mais apropriados para a oração.
b) Acolher a presença de Deus, saber que Ele me quer junto de si.
c) Pedir a luz do Espírito Santo para que Ele me dirija e inspire.
d) No início de sua oração pessoal, reze esta oração preparatória: 
Aqui estou, meu Deus, diante de ti, tal como sou agora.
Estou sentado diante de ti, Senhor, tranqüilo e pacificado. 
Estou na tua presença e deixo-me conduzir.
Abro-me à tua proximidade.
Tu és a fonte da vida, a força da vida que me penetra.
Tu és minha respiração que me carrega e dilata.
Deixa que a paz me habite.
Concede-me a graça de me deixar “limpar” por ti,  ser uma concha que se enche de ti,Deus.
Que todos os meus pensamentos e sentimentos, minha vontade e liberdade sejam orientados para o teu
serviço e louvor, meu Deus, fonte da vida. Assim seja!

e) Dois modos de orar os textos indicados:


1º - CONTEMPLAÇÃO EVANGÉLICA (se o texto for um fato bíblico ou um mistério da vida de Cristo)
Como proceder?
• Recorde a história e use a imaginação para entrar na cena evangélica.
• Procure ver, contemplando cada pessoa da cena; dê um olhar demorado, sobretudo, na pessoa de Jesus (se for o caso). Olhar sem querer explicar ou entender.
• Tente ouvir, prestando atenção às palavras ditas ou implícitas: o que podem significar? E, se fossem dirigidas a você...?
• Observe o que fazem as pessoas da cena. Elas tem nome, história, sofrimentos, buscas, alegrias. Como reagem? Perceba os gestos, os sentimentos e atitudes, sobretudo, de Jesus.
• Participe ativamente da cena, deixando-se envolver por ela. Além de ver, ouvir, tente apalpar e sentir o sabor das coisas que nela aparecem.
• E, refletindo, tire proveito de tudo o que ocorreu durante a oração.
• Finalize com uma despedida íntima de seu Deus, rezando um Pai-Nosso.
Saindo da oração, fazer a sua revisão (cf 5).

2º - LEITURA ORANTE (se for um texto de ensinamento da Escritura)
• Ler o texto inteiro de uma vez; reler, devagar, versículo por versículo. Pergunte-se: O que diz o texto em si?
• Parar onde Deus me fala interiormente, não ter pressa, aprender a saborear. Pergunte-se: O que o texto diz para mim?
• Deus é Pai que nos ama muito mais do que poderíamos ser amados. Pergunte-se: O que o texto me faz dizer a Deus?
Podem ser louvores, pedidos, ação de graças, adoração, silêncio...
• Ir acolhendo o que vier à mente, o que tocar o meu coração: desejos, luzes, apelos, lembranças, inspirações.
• Pergunte-se: O que o texto e tudo o que aconteceu nesta oração me fazem saborear e viver?
• Finalizar a oração com. uma despedida amorosa. Rezar uma Pai-Nosso e uma Ave-Maria.
• Saindo da oração, fazer a sua revisão (cf 5). 

Fonte: Retiros espirituias - Inacianos

Últimas Notícias